Informações para viagens
Alfândega

Todos os horários são GMT - 3 horas [ DST ]



Pesquisar hotéis

Data de entrada

calendar

Data de saída

calendar



  NEWSLETTER
Novidades, promoções de passagens aéreas, hospedagem, pacotes turísticos e muito mais.

 








Ir para página «  1 ... 33, 34, 35, 36, 37, 38, 39 ... 52  »

 Página 36 de 52 [ 519 mensagens ] 
 
 Título: Re: Como é a alfândega no Aeroporto de Guarulhos - São Paulo?
Mensagem não lidaEnviado: Sex Dez 06, 2013 6:29 pm 
Mensagens: 1
Gente, meu irmao ta vindo dos Estados Unidos dia 17 agora de dezembro.. Ele morou 5 anos por la, estudando (mas vinha 2 vezes ao ano pra passar as ferias aqui) e agora esta vindo de vez.

Queria que ele trouxesse 2 iphones pra mim. Apesar de eu ja ter passado mil vezes pela alfandega (e so fui parada duas vezes -e recentemente, mas nao chegaram a abrir as minhas malas), nao consigo me lembrar exatamente como eh o procedimento. Entao o que queria saber eh o seguinte:

Se ele trouxer os 2 iphones no bolso, nao tem problema ne? Eu vi gente falando aqui, que teria um dector de raio-x no GIG (onde ele chega), mas nunca me lembro de ter visto ou passado por um, e fui parada agora em maio na alfandega. Ate onde eu saiba, so as malas passam no raio-x, ne?

Obrigada!!




 Título: Re: Como é a alfândega no Aeroporto de Guarulhos - São Paulo?
Mensagem não lidaEnviado: Sex Dez 06, 2013 6:45 pm 
Mensagens: 5460
Olá Renataflr,

Seja bem-vinda!

Entrevista com a Receita Federal sobre os procedimentos da Alfândega viewtopic.php?f=224&t=7458




 Título: Re: Como é a alfândega no Aeroporto de Guarulhos - São Paulo?
Mensagem não lidaEnviado: Seg Dez 09, 2013 10:58 am 
Mensagens: 1
Pessoal eu procurei e não vi ninguem falar sobre meu voo entao decidi perguntar.

Vou para orlando essa semana e volto dia 3 de janeiro pelo voo de diurno de miami para guarulhos, chego 18:50 voo JJ8095, alguem sabe dizer como esta a alfandega nesse horario?

Vi que é o univo voo internacional que chega no horario será que passam pente fino?

Obrigado.




 Título: Re: Como é a alfândega no Aeroporto de Guarulhos - São Paulo?
Mensagem não lidaEnviado: Ter Jan 07, 2014 11:45 am 
Mensagens: 18
Gente, cheguei no Brasil dia 27 De Dezembro as 10:40 da manha vindo de Washington DC. Como eu estava voltando em definitivo após 4 anos de faculdade nos EUA, eu tinha muita coisa. Por esse motivo eu decidi DECLARAR as minhas coisas. Segue algumas dicas:

- Nao é necessario declarar ROUPAS. Tire todas as etiquetas e vem na fé. Eh MUITO dificil o fiscal embassar com roupas. Se ja eh dificil embasssarem com roupas mesmo quando vc NAO declara, imagina quando vc ta declarando?

- Declare e PAGUE tudo antecipadamente. A Receita Federal disponibiliza essa opcao. Eh mto simples, acesse www.edbv.receita.fazenda.gov.br e preencha todos os dados. No mesmo momento eles ja vao fazer todos os calculos e ja vao emitir a DARF com o valor do imposto. Voce pode pagar online e levar o comprovante com vc, ou vc pode deixar pra pagar quando chegar no aeroporto. Eu com certeza RECOMENDO a pagar antecipadamente, imprimir o comprovante e quando chegar na alfandega vc ja entrega toda a documentacao certinho. Pelo o que parece, se vc ja chega la com tudo pago, eh MUITO dificil eles te cobrarem por algo a mais. Porem caso vc deixe pra pagar tudo la na alfandega, eles vao sentir que ainda podem "tirar" um pouco mais de dinheiro do seu bolso, portanto caso eles abram a sua mala podem achar itens pra taxar.

- Quando vc declara e paga tudo antecipadamente, o tratamento eh MUITO diferente de quando vc vai no "NADA A DECLARAR" e eh escolhido para o raio-x. Fui tratado com muito respeito, sem desconfianca NENHUMA no ar e o fiscal ainda me "indicou" a comprar eletronicos nos EUA, pois no Brasil nao vale a pena.

- Dificilmente sua mala eh aberta. O maximo que fazem (e muito provavelmente vao fazer) eh te perguntar o q vc declarou e mandar vc passar as suas malas no raio-x apenas para confirmar que voce esta passando somente aquilo que declarou. Acredito que isso se deve ao fato de que muito brasileiro malandro deve ter declarado 1 PS4 e na realidade ter uns 6 na mala. Portanto, nao tente ser malandro. Ja que eh pra declarar, declara certo.

- Eu tinha 2 PS4 e uma TV 42" declarados. Na minha mala de mao eu tinha o meu laptop pessoal que eu NAO DECLAREI. Passei essa mala de mao pelo raio-x tambem e o fiscal nao implicou com o laptop, nem falou nada. Caso falasse, eu iria dizer que eh meu pessoal, etc. Porem lembre-se que laptop nao eh considerado item pessoal, o fiscal poderia ter me cobrado se ele quisesse.

Em geral eh isso gente. Eu estava bastante nervoso imaginando mil coisas, mas quando chega na hora H, eh muito mais simples do que imaginavamos.

Minha dica final eh: passou da cota de 500 (principalmente trazendo eletronicos)? DECLARE. Vc viaja tranquilo e faz tudo de maneira legal. Nao adianta reclamar que no Brasil so tem corrupto se vc mesmo eh um. A mudanca comeca com vc!

Boa sorte!




 Título: Re: Como é a alfândega no Aeroporto de Guarulhos - São Paulo?
Mensagem não lidaEnviado: Ter Jan 07, 2014 12:02 pm 
Avatar do usuário
Mensagens: 10782
Boa dica!




 Título: Re: Como é a alfândega no Aeroporto de Guarulhos - São Paulo?
Mensagem não lidaEnviado: Ter Jan 07, 2014 12:56 pm 
Avatar do usuário
Mensagens: 388
Eu quando voltei ,de mudança dos EUA, quatro anos também, tinha um papel declarando que estava de mudança, ele nem abriu minhas cinco malas kkkkkkk.
Não lembro exatamente qual era o papel, mas isentava de necessidade de declaração visto que eu morava lá....
Mesma coisa minhas mudança que veio de Graneiro kkk




 Título: Re: Como é a alfândega no Aeroporto de Guarulhos - São Paulo?
Mensagem não lidaEnviado: Ter Jan 07, 2014 1:00 pm 
Mensagens: 18
Flavio,

eu so nao me aproveitei disso pq consta la que se eu fiquei mais do que 45 dias no Brasil nos ultimos 12 meses, eu perdia esse direito. E no meio do ano eu fiquei mais de 60 dias aqui. Se nao eu viria com umas 12 malas huauhahuahua




 Título: Re: Como é a alfândega no Aeroporto de Guarulhos - São Paulo?
Mensagem não lidaEnviado: Ter Jan 14, 2014 5:53 pm 
Mensagens: 36
No Longínquo ano de 2010 passei pela alfândega de GRU, era um voo no começo da manhã vindo do México. Fiz Montreal - Cidade do México - São Paulo. O fiscal simplesmente não tomou conhecimento, quando passei ele estava gritando ao telefone com alguém, pegou o formulário e mandou eu ir embora. Meu amigo que passou alguns minutos antes, também com duas malas grandes (32kg) foi mandado para o raio-x mas sem problemas, foi dispensado mesmo trazendo mais de 500 USD em mercadoria não isenta.

Espero ter a mesma sorte dessa vez, voltarei novamente do México só que o voo desta vez chega no meio da tarde. Espero que não me parem, pois voltarei com alguns eletrônicos.




 Título: Re: Como é a alfândega no Aeroporto de Guarulhos - São Paulo?
Mensagem não lidaEnviado: Qui Jan 16, 2014 1:41 pm 
Mensagens: 18
Abaixo, copio um relato no mínimo curioso sobre uma cidadã que compartilha sua experiência recente no aeroporto de Guarulhos no facebook (mais de 16 mil compartilhamentos):

---

Amigos do Facebook e da Vida! Não costumo utilizar minha página pessoal para falar de coisas chatas, mas gostaria de alertar todos que viajam para o exterior! Caso possam, compartilhem este meu desabafo na página de vocês e divulguem para todos os amigos! Voltei de férias na quarta-feira, dia 08 de janeiro, em um vôo vindo de Miami, no aeroporto de Guarulhos, às 07h30min. Como comprei alguns itens de tecnologia para a minha casa (projetor e etc) fui para a área de Declaração de Bens declará-los e pagar os impostos devidos. Primeiramente, os funcionários da Receita Federal não me deram muita importância e apenas solicitaram que eu entrasse em um computador que estava disponível e imprimisse a guia de recolhimento. Feito isso, chamaram a Sra. Fátima (guardem bem este nome!), que me perguntou se eu estava trazendo mais algum ítem que eu quisesse declarar, como roupas ou bens para consumo pessoal. Além dessas perguntas, a Sra. Fátima me fez outros questionamentos como, por exemplo, o tempo de permanência que estive fora do Brasil, hotel em que me hospedei e também a temperatura do local. (Detalhe: ela não é da imigração e sim, da receita federal). Como eu não sabia se eu podia me manter calada ou se era “obrigada” a falar, dei as informações solicitadas. Após ter feito o pagamento da guia de recolhimento, passei no Raio X (a pedido da Sra. Fátima). Uma das assistentes que estava trabalhando no Raio X, “gritou”: - Bolsa, Ipad e Notebook nas malas! (Quase como se eu estivesse trazendo drogas!) Como solicitado, abri minha mala (possuia duas). A fiscal da receita federal tirou peça por peça das minhas roupas, abriu TODAS as minhas nécessaires, caixinha do meu aparelho móvel, sacola de sapatos, inclusive uma sacolinha que continha minhas peças íntimas (calcinhas, meias, biquínis, etc). Sempre com a “cara blasé” e perguntando: Você comprou esta calcinha no exterior? (Tudo isso em alto e bom som para qualquer pessoa em volta ouvir). Já constrangida, informei que sim, mas que havia comprado quando morei em NY. Ela então me indagou: Onde estão as Notas Fiscais destas calcinhas? – Oi? A vergonha e a humilhação só estavam começando. Ela não era grosseira, mas sim arrogante e repetidamente dizia: “Só estou cumprindo com meu trabalho”. Sem problemas “cumprir o seu trabalho”, porém, a Sra. Fátima começou a separar em outro balcão tudo que ela supostamente iria taxar. Shampoo, calcinha, sapatos (olhava sola por sola) e etc! Uma sapatilha minha que tem a sola de borracha (não marca facilmente com o uso) foi taxada. Um cinto meu, que comprei no Natal, na Tory Burch do Shopping Iguatemi só não foi taxado pois “por sorte” eu mantive a etiqueta que tinha um adesivo com a moeda brasileira e o valor da peça, senão, seria taxado também! Sempre carrego meus bens de maior valor (alguma bolsa de marca, notebook, etc) na mala de mão, pois tenho medo de serem extraviados ou roubados no trajeto. Quando abri a mala de mão, parecia que a Sra. Fátima havia descoberto ouro na minha bagagem! Ela então separou as duas bolsas e o notebook e me informou que eu teria que pagar para tê-los de volta. O meu Notebook foi comprado no Brasil há dois anos, uma bolsa Gucci há 10 (sim, 10 anos!) na Daslu e a bolsa - menina dos olhos da receita federal - Chanel, ganhei de aniversário ano passado. Comprei no Shopping JK Iguatemi, no dia 01 de outubro. Na mesma hora, informei que o computador era antigo, ela então o tirou da capa de proteção e o ligou. Comprovou que era antigo e continuou o “pente fino” nos outros itens de valor. As bolsas, ela exigiu as NF’s. Como eu não ando com uma “pasta” de NF, informei que iria ligar imediatamente na loja do Shopping JK para que eles me enviassem. No momento que eu peguei o meu celular para efetuar a ligação ela se impôs: é proibido o uso de aparelhos de celular aqui! Ou seja, nem que eu quisesse ligar para um advogado eu poderia! Quanto à bolsa Gucci “velhinha” da época da Daslu, não teria como eu ter a NF, ou seja, fui taxada e acabei “aceitando” pagar, pois não tinha outra saída. Porém, o que mais me revoltou, foi o fato de eu ter pagado pela bolsa Chanel comprada no Shopping JK o valor de US$ 2.500,00. Sim, paguei DOIS MIL E QUINHENTOS DÓLARES! Não quis deixar a minha bolsa lá enquanto eu ia atrás da NF. Quem me garantiria que quando voltasse a “minha” bolsa estaria lá? Eu não acredito nas pessoas que trabalham verificando bagagens e procurando bens de valor apenas pelo prazer de taxar... Pessoas que não têm o menor tato no atendimento e te tratam como se você fosse um bandido! No total, paguei R$ 7.000 pelos meus pertences. O notebook ela não taxou, pois já era antigo, mas as peças “de luxo” sim! A forma de pagamento? Ela queria que eu sacasse do caixa eletrônico do aeroporto (sem ao menos ter ideia de que é impossível sacar esta quantia às 09h00. Fora o risco de assalto!). Eu solicitei que ela emprestasse o computador dela para eu fazer o pagamento do DARF emitido e ela deixou. Ou seja, o esquema é tão mal feito e desorganizado, que eu utilizei o computador da receita federal para entrar no meu bankline. Já estou com a NF da Chanel em mãos. O atendimento do JK foi excepcional e eles se dispuseram a me ajudar muito! Não que adiante, pois os “xerifes” da receita decidem por eles o valor que você irá pagar pelos “bens apreendidos” caso os queira de volta. Senti-me como se estivesse sendo extorquida por presidiários que fazem o “sequestro via telefone” e você tem que passar em estabelecimentos comprando cartões pré-pagos, sabe? No fundo, foi isso que aconteceu mesmo, pois para eu “recuperar” meus bens tive que desembolsar um valor astronômico! Chorei de raiva, chorei por ver o quanto fui lesada por algo que não fiz. Eu tinha razão! Tomem cuidado mulheres, pois a mala do meu marido, sequer foi “revistada”. Ou seja, o interesse é em bolsas e roupas, pois sabem que dificilmente temos a Nota Fiscal em mãos. Gostaria de ressaltar que, no período em que estive declarando meus bens e tendo minhas malas revistadas, diversos funcionários de uma empresa que administra o aeroporto passavam com televisões, caixas e mais caixas. Um destes funcionários passou pelo raio X com 16 malas de uma mesma família. Se as revistaram? Não! O funcionário sequer foi indagado sobre o conteúdo das malas e ouvi um sonoro: “Pode passar Fulano, você está liberado!”. Ou seja, o esquema é você “dar um jeitinho brasileiro”! Soube ainda (não sei se é verdade ou boato, mas que existe um leilão das peças apreendidas para íntimos!) todo ano. Valor das peças? Preço de banana! Sabem quando eu irei declarar novamente qualquer item que eu trouxer do exterior? NUNCA mais! Pois sei que se for parada, irão me taxar por tudo que tenho! Uma dúvida: se uma amiga minha me der de presente uma bolsa comprada no Brasil, ela terá que me dar a NF com o valor pago? As NF, normalmente não se desintegram, apagando a impressão com o tempo? Meu tesão e orgulho de “ser brasileira” é 0! O país te rouba diariamente com impostos abusivos sem sequer disfarçar e nem retribuir através de um sistema decente de atendimento à população. Compro uma bolsa no meu país que não posso usá-la, pois a (in)segurança não permite. Viajo com ela para o exterior e sou “roubada” financeiramente através de pagamentos de taxas na volta. Quem perde com isso? As marcas importadas que por aqui vendem pois as pessoas perdem a confiança na hora da compra, o consumidor brasileiro que fica broxado em gastar seu dinheiro aqui e o governo, que automaticamente deixará de arrecadar. Enfim, desculpem meu desabafo e se atentem, pois de nada adianta terem roupas, tecnologia, shampoos, calcinhas ou sapatos comprados no Brasil se você não estiver com as Notas Fiscais dos produtos no seu bolso. Se puderem, repassem para alertar as pessoas e denunciar este absurdo! Infelizmente, as leis mudam de acordo com o que é melhor para o governo, e não para a população. Ou seja, voltamos para a frase: “Não é pelos R$0,20!” Beijos e que nosso país um dia possa ser justo para nossos filhos, pois confesso que para nós, já perdi as esperanças... Roberta Whately São Paulo, 10 de janeiro de 2014.




 Título: Re: Como é a alfândega no Aeroporto de Guarulhos - São Paulo?
Mensagem não lidaEnviado: Qui Jan 16, 2014 1:41 pm 
Mensagens: 18
Abaixo, copio um relato no mínimo curioso sobre uma cidadã que compartilha sua experiência recente no aeroporto de Guarulhos no facebook (mais de 16 mil compartilhamentos):

---

Amigos do Facebook e da Vida! Não costumo utilizar minha página pessoal para falar de coisas chatas, mas gostaria de alertar todos que viajam para o exterior! Caso possam, compartilhem este meu desabafo na página de vocês e divulguem para todos os amigos! Voltei de férias na quarta-feira, dia 08 de janeiro, em um vôo vindo de Miami, no aeroporto de Guarulhos, às 07h30min. Como comprei alguns itens de tecnologia para a minha casa (projetor e etc) fui para a área de Declaração de Bens declará-los e pagar os impostos devidos. Primeiramente, os funcionários da Receita Federal não me deram muita importância e apenas solicitaram que eu entrasse em um computador que estava disponível e imprimisse a guia de recolhimento. Feito isso, chamaram a Sra. Fátima (guardem bem este nome!), que me perguntou se eu estava trazendo mais algum ítem que eu quisesse declarar, como roupas ou bens para consumo pessoal. Além dessas perguntas, a Sra. Fátima me fez outros questionamentos como, por exemplo, o tempo de permanência que estive fora do Brasil, hotel em que me hospedei e também a temperatura do local. (Detalhe: ela não é da imigração e sim, da receita federal). Como eu não sabia se eu podia me manter calada ou se era “obrigada” a falar, dei as informações solicitadas. Após ter feito o pagamento da guia de recolhimento, passei no Raio X (a pedido da Sra. Fátima). Uma das assistentes que estava trabalhando no Raio X, “gritou”: - Bolsa, Ipad e Notebook nas malas! (Quase como se eu estivesse trazendo drogas!) Como solicitado, abri minha mala (possuia duas). A fiscal da receita federal tirou peça por peça das minhas roupas, abriu TODAS as minhas nécessaires, caixinha do meu aparelho móvel, sacola de sapatos, inclusive uma sacolinha que continha minhas peças íntimas (calcinhas, meias, biquínis, etc). Sempre com a “cara blasé” e perguntando: Você comprou esta calcinha no exterior? (Tudo isso em alto e bom som para qualquer pessoa em volta ouvir). Já constrangida, informei que sim, mas que havia comprado quando morei em NY. Ela então me indagou: Onde estão as Notas Fiscais destas calcinhas? – Oi? A vergonha e a humilhação só estavam começando. Ela não era grosseira, mas sim arrogante e repetidamente dizia: “Só estou cumprindo com meu trabalho”. Sem problemas “cumprir o seu trabalho”, porém, a Sra. Fátima começou a separar em outro balcão tudo que ela supostamente iria taxar. Shampoo, calcinha, sapatos (olhava sola por sola) e etc! Uma sapatilha minha que tem a sola de borracha (não marca facilmente com o uso) foi taxada. Um cinto meu, que comprei no Natal, na Tory Burch do Shopping Iguatemi só não foi taxado pois “por sorte” eu mantive a etiqueta que tinha um adesivo com a moeda brasileira e o valor da peça, senão, seria taxado também! Sempre carrego meus bens de maior valor (alguma bolsa de marca, notebook, etc) na mala de mão, pois tenho medo de serem extraviados ou roubados no trajeto. Quando abri a mala de mão, parecia que a Sra. Fátima havia descoberto ouro na minha bagagem! Ela então separou as duas bolsas e o notebook e me informou que eu teria que pagar para tê-los de volta. O meu Notebook foi comprado no Brasil há dois anos, uma bolsa Gucci há 10 (sim, 10 anos!) na Daslu e a bolsa - menina dos olhos da receita federal - Chanel, ganhei de aniversário ano passado. Comprei no Shopping JK Iguatemi, no dia 01 de outubro. Na mesma hora, informei que o computador era antigo, ela então o tirou da capa de proteção e o ligou. Comprovou que era antigo e continuou o “pente fino” nos outros itens de valor. As bolsas, ela exigiu as NF’s. Como eu não ando com uma “pasta” de NF, informei que iria ligar imediatamente na loja do Shopping JK para que eles me enviassem. No momento que eu peguei o meu celular para efetuar a ligação ela se impôs: é proibido o uso de aparelhos de celular aqui! Ou seja, nem que eu quisesse ligar para um advogado eu poderia! Quanto à bolsa Gucci “velhinha” da época da Daslu, não teria como eu ter a NF, ou seja, fui taxada e acabei “aceitando” pagar, pois não tinha outra saída. Porém, o que mais me revoltou, foi o fato de eu ter pagado pela bolsa Chanel comprada no Shopping JK o valor de US$ 2.500,00. Sim, paguei DOIS MIL E QUINHENTOS DÓLARES! Não quis deixar a minha bolsa lá enquanto eu ia atrás da NF. Quem me garantiria que quando voltasse a “minha” bolsa estaria lá? Eu não acredito nas pessoas que trabalham verificando bagagens e procurando bens de valor apenas pelo prazer de taxar... Pessoas que não têm o menor tato no atendimento e te tratam como se você fosse um bandido! No total, paguei R$ 7.000 pelos meus pertences. O notebook ela não taxou, pois já era antigo, mas as peças “de luxo” sim! A forma de pagamento? Ela queria que eu sacasse do caixa eletrônico do aeroporto (sem ao menos ter ideia de que é impossível sacar esta quantia às 09h00. Fora o risco de assalto!). Eu solicitei que ela emprestasse o computador dela para eu fazer o pagamento do DARF emitido e ela deixou. Ou seja, o esquema é tão mal feito e desorganizado, que eu utilizei o computador da receita federal para entrar no meu bankline. Já estou com a NF da Chanel em mãos. O atendimento do JK foi excepcional e eles se dispuseram a me ajudar muito! Não que adiante, pois os “xerifes” da receita decidem por eles o valor que você irá pagar pelos “bens apreendidos” caso os queira de volta. Senti-me como se estivesse sendo extorquida por presidiários que fazem o “sequestro via telefone” e você tem que passar em estabelecimentos comprando cartões pré-pagos, sabe? No fundo, foi isso que aconteceu mesmo, pois para eu “recuperar” meus bens tive que desembolsar um valor astronômico! Chorei de raiva, chorei por ver o quanto fui lesada por algo que não fiz. Eu tinha razão! Tomem cuidado mulheres, pois a mala do meu marido, sequer foi “revistada”. Ou seja, o interesse é em bolsas e roupas, pois sabem que dificilmente temos a Nota Fiscal em mãos. Gostaria de ressaltar que, no período em que estive declarando meus bens e tendo minhas malas revistadas, diversos funcionários de uma empresa que administra o aeroporto passavam com televisões, caixas e mais caixas. Um destes funcionários passou pelo raio X com 16 malas de uma mesma família. Se as revistaram? Não! O funcionário sequer foi indagado sobre o conteúdo das malas e ouvi um sonoro: “Pode passar Fulano, você está liberado!”. Ou seja, o esquema é você “dar um jeitinho brasileiro”! Soube ainda (não sei se é verdade ou boato, mas que existe um leilão das peças apreendidas para íntimos!) todo ano. Valor das peças? Preço de banana! Sabem quando eu irei declarar novamente qualquer item que eu trouxer do exterior? NUNCA mais! Pois sei que se for parada, irão me taxar por tudo que tenho! Uma dúvida: se uma amiga minha me der de presente uma bolsa comprada no Brasil, ela terá que me dar a NF com o valor pago? As NF, normalmente não se desintegram, apagando a impressão com o tempo? Meu tesão e orgulho de “ser brasileira” é 0! O país te rouba diariamente com impostos abusivos sem sequer disfarçar e nem retribuir através de um sistema decente de atendimento à população. Compro uma bolsa no meu país que não posso usá-la, pois a (in)segurança não permite. Viajo com ela para o exterior e sou “roubada” financeiramente através de pagamentos de taxas na volta. Quem perde com isso? As marcas importadas que por aqui vendem pois as pessoas perdem a confiança na hora da compra, o consumidor brasileiro que fica broxado em gastar seu dinheiro aqui e o governo, que automaticamente deixará de arrecadar. Enfim, desculpem meu desabafo e se atentem, pois de nada adianta terem roupas, tecnologia, shampoos, calcinhas ou sapatos comprados no Brasil se você não estiver com as Notas Fiscais dos produtos no seu bolso. Se puderem, repassem para alertar as pessoas e denunciar este absurdo! Infelizmente, as leis mudam de acordo com o que é melhor para o governo, e não para a população. Ou seja, voltamos para a frase: “Não é pelos R$0,20!” Beijos e que nosso país um dia possa ser justo para nossos filhos, pois confesso que para nós, já perdi as esperanças... Roberta Whately São Paulo, 10 de janeiro de 2014.



Ir para página «  1 ... 33, 34, 35, 36, 37, 38, 39 ... 52  »

 
 Tópicos Relacionados      Respostas 
Sala Vip LAN e TAM - Aeroporto de Guarulhos - São Paulo

[ Ir para página: 1, 2 ]

em Salas Vips

Última mensagem Dom Nov 02, 2014 4:01 pm viajeiro Ver última mensagem

 

11

Executive Lounge - Aeroporto de Guarulhos - São Paulo

em Salas Vips

Última mensagem Qua Nov 26, 2014 5:48 pm GabrielDias Ver última mensagem

 

7

First Class Lounge - Aeroporto de Guarulhos - São Paulo

[ Ir para página: 1, 2 ]

em Salas Vips

Última mensagem Dom Nov 09, 2014 12:27 am Tigerlies Ver última mensagem

 

11

Sala vip Villa GRU - Aeroporto de Guarulhos - São Paulo

[ Ir para página: 1 ... 4, 5, 6 ]

em Salas Vips

Última mensagem Seg Set 29, 2014 5:22 pm gabicsarti Ver última mensagem

 

53

Sala Vip Star Alliance - Aeroporto de Guarulhos - São Paulo

[ Ir para página: 1, 2, 3, 4 ]

em Salas Vips

Última mensagem Ter Nov 04, 2014 5:00 pm flaviojunior Ver última mensagem

 

35

 

Informações para viagens
Alfândega

Todos os horários são GMT - 3 horas [ DST ]



Ir para:  
 

 

Quem está online

Usuários navegando neste fórum: Nenhum usuário registrado e 4 visitantes

 

Twitter


Siga o FDV

Facebook


Curtir o FDV

YouTube


Siga o FDV

Google +


Siga o FDV

Instagram


Siga o FDV

| Fale conosco | Divulgue sua empresa | 2010 - 2014 © Falando de Viagem - Tudo para você viajar mais e melhor!
O Falando de Viagem não é agente de reservas, não cobra taxa de serviços para os usuários do site e não se responsabiliza pelo conteúdo de sites externos.
Proibida qualquer reprodução (total ou parcial) de conteúdo sem expressa autorização, mesmo citando fonte.