Destinos - Brasil
Região Sul
Santa Catarina

Todos os horários são GMT - 3 horas [ DST ]




 Página 1 de 1 [ 4 mensagens ] 
 
 Mensagem não lidaPublicado: Sex Jun 07, 2019 11:45 am 
Avatar do usuário
Mensagens: 18552
Administrador
Imagem

Que Santa Catarina é um dos estados mais ecléticos do país nós já sabíamos, pois lá encontramos praias lindas, o fantástico Beto Carrero World, cânions impressionantes e muito mais. Nos últimos anos Santa Catarina vem despontando no cenário nacional como um importante polo viticultor, com expansão dos vinhedos, abertura de vinícolas e criação de um ecossistema turístico inovador. Por tudo isso, se antes era fácil escolher uma vinícola para conhecer, hoje esta tarefa é bem mais difícil, pois existe uma gama de bons estabelecimentos, que produzem ótimos vinhos e recebem muito bem o turista.

As duas principais áreas vinícolas do estado são a Serra Catarinense, que produz vinhos de altitude, e Urussanga, conhecida pelos vinhos produzidos com a uva Goethe. Vinhos de altitude são aqueles produzidos com uvas cultivadas a mais de 900 metros de altura do nível do mar, o que acarreta um desenvolvimento mais lento dos frutos e permite criar vinhos com mais estrutura e complexidade.

Leia também: Como embalar vinho para viagem

Urussanga é famosa pela uva Goethe, um híbrido de uvas europeias (87% de Moscato de Hamburgo, Moscato de Alexandria e Schiava Grossa) e americanas (13%) (fonte: Vales da Uva Goethe), e que encontrou nesta região de Santa Catarina condições perfeitas para se desenvolver.

Na década de 40, os vinhos produzidos com a Goethe foram servidos pelo então presidente Getúlio Vargas aos embaixadores e chefes de Estado que vinham ao Brasil, e encantavam a todos com seu sabor diferenciado. Nos anos seguintes, a produção sofreu um forte revés com a chegada das mineradoras de carvão mineral, que cooptaram grande parte da mão de obra do campo. Agora, porém, o processo de vinificação sustentável está sendo retomado, e a Uva Goethe busca novamente sua posição de protagonista no cenário nacional.

Selecionamos uma lista contendo algumas excelentes vinícolas catarinenses, que merecem ser incluídas no roteiro da sua próxima viagem:

1) Vinícola Thera, em Bom Retiro

A Vinícola Thera, localizada em Bom Retiro, a 150 km de Florianópolis e 90 km de Lages, é um lugar extremamente charmoso e aconchegante. A vinificação dos vinhos é feita na Vinícola Villa Francioni, de propriedade da família, mas os vinhedos e a definição dos processos industriais são de inteira responsabilidade dos profissionais da própria Thera. Todos os vinhedos são próprios, e ao ano são produzidas aproximadamente 40.000 garrafas de várias castas, tais como Cabernet Franc, Merlot, Shiraz, Sauvignon Blanc, dentre outras.

O objetivo na Thera é criar uma experiência imersiva, onde o visitante possa vivenciar o melhor que o vinho tem a oferecer, com ótimas degustações e harmonizações. Para tanto, foi construída uma esplêndida recepção, que encanta a todos com sua decoração harmoniosa e vistas deslumbrantes. Ao entrar no local já nos sentimos acolhidos, e o primeiro impulso é de se sentar num dos aconchegantes recantos e apreciar um vinho.

Imagem

Imagem

O projeto arquitetônico da recepção está inserido num contexto maior, que incluiu uma completa estrutura voltada ao turismo. Atualmente, já foi inaugurado o elegante Thera Wine Bar, assim como 8 suítes extremamente concorridas, sendo necessário efetuar as reservas com 3 ou 4 meses de antecedência.

Relativamente aos vinhos, sugerimos a degustação do Sauvignon Blanc, pois as uvas da região conferiram a ele uma complexidade, sabor e aroma diferenciados e, na nossa opinião, muito superiores a vários dos seus concorrentes diretos, seja do novo ou do velho mundo.

Imagem

Imagem

A Thera é diferenciada, exigindo tempo para que seja explorada e vivenciada com calma. Por isso mesmo, recomendamos ao menos um jantar no local, ou se possível 2 noites de hospedagem para que se possa conhecer tudo que a vinícola tem a oferecer.

2) Vinícola Abreu Garcia, em Campo Belo do Sul

A Vinícola Abreu Garcia localizada em Campo Belo do Sul, a 300 km de Florianópolis e 66 km de Lages, possui uma característica única no pais, pois está ás margens de um Sítio Arqueológico. O terreno foi adquirido pela família em 2000, que plantou o seu primeiro vinhedo na região em 2006. Hoje são produzidas em torno de 50.000 garrafas anuais utilizando a estrutura da própria vinícola.

O Sítio Arqueológico foi descoberto graças aos esforços da própria família Abreu, que se dedicou não apenas a atestar sua veracidade, como também a preservar o local para que no futuro possa ser estudado por arqueólogos. Enquanto isso, o que temos é uma vista deslumbrante, repleta de mata nativa, em perfeita harmonia com os vinhedos.

Imagem

Além da visita tradicional, a vinícola oferece um almoço harmonizado, por 140 reais por adulto e 80 reais por criança, em que são servidos pratos típicos da região harmonizados com vinhos. Caso não consiga almoçar no local, uma opção é participar de uma degustação realizada no final do dia, quando é possível admirar o pôr do sol. O pequeno evento é realizado num platô no alto da propriedade, com linda vista da região.

O acesso até a Abreu Garcia é relativamente tranquilo, mas é necessário passar por uma ponte de concreto que fica interditada nos períodos de muita chuva, quando as águas do rio encobrem a pista. Em caso de dúvida, ligue antes e pergunte sobre as condições da travessia.

Imagem

Imagem

Imagem

Imagem

Tivemos a oportunidade de fazer o tour e participar do almoço na Abreu Garcia e recomendamos muito a experiência. Os vinhos são de ótima qualidade e harmonizaram perfeitamente com os pratos que foram servidos. A visita em si não chega a impressionar, mas o almoço e o passeio pelo sítio arqueológico são de tirar o fôlego.

3) Vinícola Villaggio Bassetti, em São Joaquim

A Vinícola Villaggio Bassetti localizada em São Joaquim, a 250 km de Florianópolis e 70 km de Lages oferece uma nova perspectiva em termos de visitação. A Villaggio Basseti foi criada no ano de 2005, por três irmãos engenheiros, filhos de imigrantes italianos e apaixonados pelo vinho. A recepção da vinícola está localizada a mais de 1 km da área de vinificação, e esta característica permitiu que os passeios pudessem ser feitos de bicicleta, devidamente acompanhados de profissionais da Agência na Trilha Certa.

Imagem

O percurso pode ser realizado por pessoas de todas as idades, pois existe apenas uma subida mais forte, que pode ser superada com uma dose extra de força no pedal, ou apenas empurrando a bicicleta por alguns instantes.

Imagem

Existem bicicletas com suporte para bebês, próprias para crianças e em breve teremos um triciclo adaptado para pessoas com mobilidade reduzida. No meio do trajeto é feita uma parada estratégica para degustar vinhos e apreciar a paisagem, que é deslumbrante. Em seguida o passeio prossegue até a área industrial, onde é feita uma rápida explanação sobre o método de vinificação e algumas das características próprias da vinícola, tal como a vinificação natural das 30.000 garrafas que são produzidas anualmente.

Imagem

Concluída a apresentação, quem estiver cansado pode retornar direto para a sede, e os mais animados têm a opção de prosseguir de bicicleta pelo restante da propriedade, num total de 4 km, com algumas subidas. Como o passeio é feito de forma muito calma, e no ritmo dos visitantes, a experiência final é muito positiva.

Ao final é oferecida uma degustação dos vinhos da vinícola, merecendo destaque o Selvaggio, um cabernet sauvignon aveludado, com taninos equilibrados, e que passa 22 meses em barrica de carvalho francês.

Imagem

Mesmo quem não é atleta consegue fazer o percurso de bicicleta, e a experiência como um todo é muito boa, tanto pela adrenalina, como pelas vistas incríveis das parreiras e da propriedade.

4) Vinícola Villa Francioni, em São Joaquim

A Vinícola Villa Francioni localizada em São Joaquim, a 250 km de Florianópolis e 70 km de Lages é uma das responsáveis pelo desenvolvimento da vinicultura na serra catarinense. Criada no início do século XX, a Vila Francioni foi idealizada para ser um projeto sustentável, racional e focado nas necessidades sociais e ecológicas da região.

Em 2005 os primeiros vinhos começaram a ser vendidos, e tal fato quebrou alguns paradigmas, pois a vinícola provou para o Brasil que a Serra Catarinense pode produzir vinhos de qualidade e com características únicas, graças à altitude em que as uvas são cultivadas.

Com o olhar no futuro, a Villa Francioni foi concebida para comportar uma produção de mais de 200.000 garrafas ano. No entanto, apesar de ser a maior da região, atualmente são produzidas apenas 130.000 garrafas próprias, razão pela qual a vinícola presta serviços para outros estabelecimentos, vinificando as uvas de acordo com as especificações que lhe são repassadas. O tour na vinícola é tradicional, passando por todas as dependências, desde o local onde as uvas são recebidas até as caves onde os vinhos descansam em barricas de carvalho.

Imagem

Imagem

Todo o edifício foi feito em platôs, de forma a utilizar a força da gravidade para conduzir o vinho para a próxima etapa da vinificação, o que proporciona uma importante economia de energia e uma menor manipulação das uvas. Ao final é feita uma degustação, que varia de acordo com o pacote que foi contratado inicialmente. Particularmente recomendamos investir na degustação na Cave, que oferece queijos e pães e acesso aos vinhos Premium da vinícola.

Imagem

Imagem

A Villa Francioni é linda, está inserida num ambiente repleto de parreiras e nos oferece uma visita clássica. Seja pelo pioneirismo, ou pela qualidade dos vinhos, é um local que deve fazer parte de qualquer roteiro pela região.

5) Vinícola Leone di Venezia, em São Joaquim

A Vinícola Leone di Venezia localizada em São Joaquim, a 250 km de Florianópolis e 70 km de Lages é um pedacinho da Itália em plena Serra Catarinense. A Leone di Venezia ocupa uma área de 15 hectares no município de São Joaquim, e assim como as vinícolas mencionadas anteriormente, produz vinhos de altitude. Tudo teve início no ano de 2008, com a construção da infraestrutura e o plantio das primeiras parreiras, todas de origem italiana.

Imagem

Das 26 variedades já plantadas, algumas não vingaram, sendo que atualmente permanecem 12 diferentes tipos, que se adaptaram à região e produzem uvas de altíssima qualidade. Anualmente são produzidas em torno de 20.000 garrafas, inclusive com uvas pouco conhecidas dos brasileiros, como Gewurztraminer e Garganega.

As opções de passeio incluem o tour tradicional (45 reais), que passa pelas principais áreas da vinícola, o piquenique ao ar livre (115 reais), oferecido apenas no verão, e o passeio Premium (390 reais), disponível somente na vindima, que permite degustar vinhos direto das barricas e inclui um almoço harmonizado.

Imagem

Imagem

Mas se a intenção for apenas degustar vinhos, acompanhados de frios e bruschettas, a melhor opção é o bar da Leone di Venizia, que possui uma vista maravilhosa da região.

Imagem

Imagem

Dentro da vinícola existem também 4 charmosas suítes, exclusiva para maiores de 18 anos, e que funcionam normalmente durante a vindima. Cada quarto tem uma decoração especial, e apesar de não serem muito grandes, possuem decoração harmoniosa e aconchegante.

Imagem

Um grande diferencial é que as suítes estão no prédio principal, permitindo que os visitantes se hospedem no mesmo local onde o vinho é produzido, algo único no país.

Dentre os vinhos, merecem destaque o Oro Vechio, um vinho laranja, muito fresco e elegante, e principalmente o Sangiovese, varietal com 8 meses em barrica, com boa estrutura, taninos maduros e sabor intenso.

6) Vinícola Monte Agudo, em São Joaquim

A Vinícola Monte Agudo localizada em São Joaquim, ao lado da Leone de Venezia, tem por objetivo oferecer uma experiência enogastronômica única e diferenciada. As parreiras da vinícola começaram a ser plantadas no início de 2005 numa área de 6,2 hectares, enquanto que os primeiros vinhos começaram a ser engarrafados em 2008.

Anualmente são produzidas 30.000 garrafas, e parte das uvas da Monte Agudo, de altíssima qualidade, são vendidas para outros produtores. Visando manter um alto padrão, no momento o portfólio da vinícola não contempla vinhos de entrada, mas somente opções da linha intermediária e Premium, garantindo um lugar de destaque entre as vinícolas da região.

É importante destacar que a Monte Agudo, pelo menos por enquanto, não oferece os tradicionais tours e visitas à área industrial. Isso porque o foco, desde o início, foi permitir ao visitante experimentar os vinhos da casa, acompanhados de pratos da culinária catarinense. Um dos programas mais concorridos é o almoço harmonizado (154 reais por adulto), onde são servidos 3 pratos e 5 vinhos com consumo liberado. A opção pelo almoço, ao invés de um jantar, é para que os turistas possam comer apreciando a linda vista da região, que emoldura o restaurante, construído com diversas paredes de vidro.

O espaço é maravilhoso, com uma decoração ao mesmo tempo rústica e moderna, utilizando muita madeira e vidro. É um restaurante para se guardar na memória.

Imagem

Imagem

Outra alternativa é o programa Sunset, realizado no final do dia para apreciar o pôr do sol. O visitante pode escolher o plano prata (65 reais), onde são servidos vinhos da linha tradicional, ou o plano ouro (95 reais) em que é possível experimentar vinhos Premium, sempre acompanhado por um prato de frios e pães. O almoço que tivemos no local foi espetacular, e adoramos os pratos, os vinhos e o atendimento. Dentre os vinhos, merece destaque o branco barricado, cujo processo de fermentação ocorre em barricas de carvalho, sem estágio na madeira.

Imagem

Imagem

Imagem

Depois de conhecer o processo de vinificação de muitas vinícolas, uma experiência enogastronômica pura foi muito bem-vinda, sendo este um excelente motivo para se visitar a Monte Agudo.

7) Vinícola Vigna Mazon, em Urussanga

Descendo a Serra do Rio do Rastro chegamos na Vinícola Vigna Mazon localizada em Urussanga, a 190 km de Florianópolis. A região de Urussanga obteve junto ao INPI a Indicação de Procedência (IP), reconhecendo que naquele local são produzidos vinhos únicos e diferenciados com a Uva Goethe.

Como mencionado, as Uvas Goethe tiveram o seu auge na década de 40, tanto que na região foi fundado o Instituto de Fermentação, que se dedicou a realizar pesquisas e estudos de diversas uvas viníferas. Após um longo período de declínio, alguns produtores voltaram a plantar parreiras, e aos poucos os vinhos da Uva Goethe vêm ressurgindo, ainda melhores do que antes. Um dos precursores deste movimento é a Vigna Mazon, fundada em 1970 e que atualmente investe tanto na produção de vinhos como no oferecimento de serviços de turismo, tais como hospedagem e refeições para os visitantes.

Os parreirais em frente do restaurante são lindos, e encantam tanto adultos quanto crianças, que não perdem a oportunidade de passear por entre os cachos de uva. O restaurante foi reformado, mas sem abandonar um aspecto rústico, deixando claro tratar-se de um local com uma longa história. A sensação que se tem, é de que se está numa antiga fazenda mineira, muito bem preservada.

Imagem

Imagem

Pode-se fazer um tour pela vinícola, conhecendo um pouco da sua trajetória, mas nossa recomendação é conciliar este passeio com um almoço, que normalmente é servido aos domingos, logo após uma rodada de aperitivos feitos na parrilla. O preço de 50 reais, acompanhado de suco de uva caseiro, é convidativo e a refeição fica ainda melhor se o visitante decidir harmonizá-la com vinhos da própria vinícola. Os pratos servidos mesclam clássicos da culinária italiana e catarinense, e são perfeitamente acompanhados pelos vinhos, com destaque para aqueles produzidos com a Uva Goethe.

Imagem

Imagem

Imagem

Quem quiser continuar vivenciando o clima bucólico, pode se hospedar na própria vinícola, em unidades simples, mas aconchegantes. Apesar de não ter a modernidade das vinícolas da serra, a Vigna Mazon oferece uma abordagem clássica, cercada de história, e com vinhos únicos.

8) Vinícola Casa Del Nonno, em Urussanga

A Vinícola Casa Del Nonno localizada no centro de Urussanga, a 150 km de Florianópolis, é um lugar interessante, e que se torna imperdível durante o Sunset, realizado uma vez no mês. Um grande diferencial da Casa Del Nonno é o fato da estrutura industrial ter sido construída dentro de Urussanga, facilitando o acesso até mesmo por quem não está de carro.

E apesar das parreiras estarem na zona rural, ao lado da vinícola temos uma pequena área plantada, perfeita para se conhecer um pouco das uvas e suas diferenças. A visita em si está no mesmo nível da de outras vinícolas, valendo mais pelas informações interessantes que são passadas a respeito da história dos proprietários, da cidade e da Uva Goethe.

Imagem

Imagem

O que recomendamos fortemente é participar do Sunset, que ocorre uma vez no mês na linda varanda da vinícola, e é extremamente concorrido. A parte mais difícil é encontrar uma mesa, ainda mais voltada para o pôr do sol, por isso sugerimos efetuar uma reserva antecipada. Chegando ao local, paga-se apenas o que for consumido, sendo que são vendidos vinhos da vinícola, por preços muito bons, além de tábuas de frios.

Imagem

O mais comum é que as pessoas cheguem por volta das 17h, e permaneçam no bar até bem tarde, aproveitando a agitação do público, os bons vinhos e os petiscos de qualidade. Vale muito a pena conhecer a Casa del Nonno durante o Sunset, mas se você não conseguir organizar sua viagem para coincidir com o evento, justifica ir até a vinícola caso queira conhecer um pouco mais do processo de vinificação.

Conclusão

Após visitar e conhecer 8 incríveis vinícolas, podemos afirmar categoricamente que a Serra Catarinense e Urussanga irão surpreender os visitantes que buscam conhecer os vinhos nacionais e ter experiências enogastronômicas genuínas. Desde a qualidade dos vinhos, até a estrutura e as propostas de visitação, tudo conduziu a uma viagem revigorante, e retornamos ao lar satisfeito em ver o belíssimo trabalho que os empreendedores da vinicultura catarinense vêm desenvolvendo.

Leia também: 5 restaurantes imperdíveis em Santa Catarina

Boa viagem!

Texto: Hugo Medeiros.
Fotos: Tatiana Cavagnolli.

O Falando de Viagem viajou para Santa Catarina a convite do IBRAVIN e do SEBRAE.

E você, conhece alguma vinícola Santa Catarina? Qual? Gostou? O que recomenda? Conte para nós a sua experiência!

Imagem
ImagemImagemImagemImagemImagem

_________________
Participe do nosso grupo no Telegram. Entre agora mesmo, pois estamos Falando de Viagem: https://t.me/falandodeviagem



 Mensagem não lidaPublicado: Sex Jun 07, 2019 3:22 pm 
Avatar do usuário
Mensagens: 3258
Muito bom ver a evolução dos vinhos e vinícolas no Brasil. Dentre essas 8 opções, difícil escolher a melhor.

_________________
http://fdv.im/HugoMarcio


 Mensagem não lidaPublicado: Seg Jun 10, 2019 10:25 pm 
Avatar do usuário
Mensagens: 5381
Nossa, não conhecia nem de nome a maioria dessa lista. Muito bom saber mais, principalmente da infraestrutura. Quero experimentar os vinhos agora.

_________________
http://fdv.im/JulianaMagalhaes


 Mensagem não lidaPublicado: Seg Jun 17, 2019 8:17 am 
Mensagens: 1818
Muito legal está lista. Adoro conhecer vinícolas.

_________________
http://fdv.im/AdrianaRuhmke


 
 Tópicos Relacionados      Respostas 
5 motivos para visitar as vinícolas da Serra Catarinense e de Urussanga | Santa Catarina

em Santa Catarina

Última mensagem Ter Jul 16, 2019 12:11 pm JulianaMagalhaes Ver última mensagem

 

5

5 restaurantes imperdíveis em Santa Catarina

em Santa Catarina

Última mensagem Sáb Jun 15, 2019 10:06 am Adriana Ver última mensagem

 

4

O que fazer em Urussanga, Santa Catarina | 4 passeios imperdíveis

em Santa Catarina

Última mensagem Ter Jun 25, 2019 2:39 pm GabrielDias Ver última mensagem

 

2

10 vinícolas que vale a pena visitar na Califórnia

em Califórnia

Última mensagem Qui Dez 06, 2018 8:45 am GabrielDias Ver última mensagem

 

3

8 vinícolas no Uruguai com programação especial para o Dia Mundial do Enoturismo

em Uruguai

Última mensagem Seg Nov 12, 2018 10:27 am JulianaMagalhaes Ver última mensagem

 

2

 


Booking.com


Destinos - Brasil
Região Sul
Santa Catarina

Todos os horários são GMT - 3 horas [ DST ]



Ir para:  
 

 

Quem está online

Usuários navegando neste fórum: Nenhum usuário registrado e 2 visitantes