Falando +D

Todos os horários são GMT - 3 horas




 Página 1 de 1 [ 5 mensagens ] 
 
 Mensagem não lidaPublicado: Dom Ago 02, 2020 3:45 pm 
 Atualizado: Qua Set 02, 2020 3:07 pm 
Avatar do usuário
Mensagens: 18999
Administrador
Imagem

O crescimento exponencial do setor de turismo mundial poderia passar despercebido como uma notícia unanimemente positiva. Felizmente, a pauta cada vez mais urgente da sustentabilidade acendeu um sinal amarelo e fez com que a crítica ao turismo em massa fosse formalizada por um termo: overtourism. Em poucos anos, o problema já se tornou uma crise em alguns dos destinos mais visitados do mundo. Entenda melhor sobre o que é o overtourism e os efeitos causados nos locais e nos viajantes.

O que é overtourism?

A Organização Mundial de Turismo (UNWTO) tem um documento que detalha o que é o overtourism e explica as complicações geradas pelo fenômeno. Você pode conferir clicando aqui.

O termo overtourism existe desde 2016 e tem sido cada vez mais debatido desde então, com diversas definições. Em 2018, foi escolhida como uma das palavras do ano pelo Oxford English Dictionary. No documento da UNWTO, overtourism é oficialmente definido como o impacto negativo do turismo em um destino ou parte dele. Boas adaptações para o português são "turismo em massa" e "excesso de turismo".

Este impacto negativo é materializado na queda da qualidade de vida dos moradores e também da satisfação das experiências dos próprios turistas. São destinos onde anfitriões e convidados, moradores e visitantes, acham que existe um grande acúmulo de turistas. A deterioração do local fica visível para ambos os grupos.

Os danos mais óbvios são no ambiente - poluição sonora, visual e no ar. Mas o overtourism também tem um efeito negativo na economia local. Apesar das viagens parecerem positivas por injetarem capital no destino, o excesso faz com que os moradores sofram com gentrificação e superfaturação.

Overtourism é o oposto do turismo responsável, que acontece quando a circulação social e econômica de turistas colabora para a melhora das condições do local e dos cidadãos locais.

Leia também: Como calcular a pegada de carbono da sua viagem?

A resposta dos destinos

A discussão prática sobre o que os destinos que sofrem com o overtourism podem fazer para desacelerar ou administrar melhor a superlotação ainda é muito prematura. Não existe um manual com um passo a passo.

Os exemplos mais notórios de overtourism são a Tailândia, Barcelona, Veneza, Santorini e Machu Picchu.

Note que a Tailândia é único país da lista. A situação em um dos principais destinos asiáticos é realmente alarmante. A Tailândia é um bom exemplo de país que passou a implementar medidas rígidas na tentativa de frear os impactos do overtourism. Desde 2018, é proibido atracar barcos na praia de Maya Bay para proteger a flora e fauna marinha. E desde 2017, é proibido fumar em 20 praias tailandesas; a lei foi formulada para frear o volume de lixo deixado nas areias.

Uma fórmula bastante usada em destinos de natureza para controlar os danos causados pelo overtourism é a cobrança de taxas. É o que acontece em Fernando de Noronha, que cobra uma tarifa diária de preservação ambiental de cada visitante. Outra opção, aderida por Machu Picchu e Veneza, é estabelecer um limite diário de visitantes.

O que todo viajante pode fazer

Além das medidas oficias dos destinos, os viajantes conscientes também podem colaborar para a contenção do overtourism. Existem algumas dicas simples, mas que podem ter um efeito significativo. Confira algumas:

1. Viajar em baixa temporada. Mesmo os destinos mais bombados têm meses mais vazios. Além de ser positivo para o destino, viajantes que aproveitam a baixa temporada encontram preços mais atrativos e experiências mais agradáveis, sem a lotação. Todos ganham!

2. Entender que experienciar um destino é mais do que conhecer os pontos turísticos. Viajar é muito mais do que dar check em uma lista de atrações dadas como imperdíveis. Andar pelas ruas sem rumo, admirar as paisagens, conhecer pessoas, degustar a culinária local, apreciar arte... são nestes momentos que você passa a realmente conhecer o destino.

3. Apoiar pequenos comércios. Ao invés de comer em um restaurante de rede que está presente em várias partes do mundo, invista no bistrô de bairro, por exemplo. Explore as feiras, as praças, os artesanatos. Souvenirs de plástico de lojinhas pega-turistas não combinam com o futuro das viagens.

4. Entender, respeitar e se adequar à cultura local. É necessário humanizar os destinos. Saber que aquele lugar é um organismo vivo para além das atrações turísticas. Por isso, é imprescindível que você estude sobre os costumes locais e os siga. Um exemplo clássico é a gorjeta. Apesar de não ser um costume brasileiro, não dar gorjeta para prestadores de serviço em outros países é o cúmulo da falta de educação. O mesmo vale para comportamento em público, vestimenta e até tom de voz.

5. Aderir o slow tourism. Se você realmente quer dar um passo a mais pelo bem do turismo sustentável, conheça mais sobre este movimento que surgiu exatamente em resposta ao overtourism. Mais detalhes no link abaixo.

Leia também: O que é slow travel? Conheça a nova tendência do turismo

GreenPress - Rede de Turismo Consciente

A GreenPress – Rede de Turismo Consciente é um projeto elaborado por jornalistas e formadores de opinião especializados no setor de viagens e turismo. Sem fins lucrativos, a rede trabalha para que o turismo seja uma indústria sustentável. A GreenPress pretende ser fonte de inspiração e de informação confiável para viajantes que buscam deixar pegadas sustentáveis pelo Brasil e pelo mundo.

Acompanhe o Instagram: https://www.instagram.com/greenpressbr

Planeje a sua próxima viagem

Para você não ter trabalho, nós fizemos selecionamos as melhores empresas, com os melhores preços e totalmente confiáveis, para você reservar on-line e com opção de parcelamento.

- Quer pegar a estrada? Alugue um carro clicando aqui.
- Prefere ir de avião? Compre sua passagem aérea clicando aqui.
- Hotel de luxo ou custo-benefício? Escolha a melhor hospedagem clicando aqui.
- Quer curtir sem preocupações? Garanta o seguro de viagem clicando aqui.
- Quer ficar 24 horas on-line? Compre seu chip de internet clicando aqui.
- Quer comprar moeda estrangeira? Receba em casa ou escritório clicando aqui.
- Ingressos para as principais atrações? Compre on-line e parcele clicando aqui.
- Precisa de uma mala nova? Compre on-line e parcele clicando aqui.

Leia também:
- Grupos do Falando de Viagem no WhatsApp
- Grupos do Falando de Viagem no Telegram

Boa viagem!

Texto: Manoela Caldas.

E você, já conhecia o conceito overtourism? Como acha que pode ser controlado? Conte para nós a sua experiência!

Imagem
ImagemImagemImagemImagemImagem

_________________
Participe do melhor grupo de descontos do WhatsApp. Acesse: https://fdv.im/Descontos12



 Mensagem não lidaPublicado: Seg Ago 03, 2020 9:37 am 
Mensagens: 2128
Eu já havia lido um pouco sobre o overtourism, acho que cada viajante deve fazer a sua parte, como as dicas sugerem, quem sabe então possa ser controlado.

_________________
http://fdv.im/AdrianaRuhmke


 Mensagem não lidaPublicado: Seg Ago 03, 2020 12:09 pm 
Mensagens: 1403
Muito interessante saber mais sobre essa crise. Imagino que em breve veremos as autoridades internacionais criando um manual geral para destinos com passos de como agir nesses casos.

_________________
http://fdv.im/ManuCaldas


 Mensagem não lidaPublicado: Qua Ago 05, 2020 3:50 pm 
Avatar do usuário
Mensagens: 5947
Viajantes e autoridades devem dar as mãos para combater esse excesso de turismo que está acabando com destinos paradisíacos.

Concordo demais com todos os 5 itens de práticas sensatas que devemos ter. Temos que ser viajantes mais conscientes. Inclusive a pandemia está mostrando que os destinos e a natureza precisam "respirar" longe da massa humana do overturism.

_________________
http://fdv.im/JulianaMagalhaes


 Mensagem não lidaPublicado: Sáb Ago 08, 2020 7:49 pm 
Avatar do usuário
Mensagens: 40734
Esse é um grande problema. Realmente grande e difícil de conseguir controlar, pois há muito em jogo e ninguém quer deixar de lucrar. Só que esse lucro excessivo pode acabar com os locais, e aí será muito pior.

_________________
Você já conferiu as últimas matérias do Falando de Viagem? Acesse: https://fdv.im/materias


 
 Tópicos Relacionados      Respostas 
Como a Alemanha está enfrentando a crise do coronavírus (COVID-19)?

em Alemanha

Última mensagem Qua Mai 06, 2020 6:06 pm Ajudante Ver última mensagem

 

6

Air France-KLM toma medidas excepcionais em continuação da crise do COVID-19

em Notícias

Última mensagem Qua Abr 22, 2020 1:25 pm Ajudante Ver última mensagem

 

3

Entenda a crise de brasileiros sendo barrados pela imigração do México

[ Ir para página: 1, 2 ]

em México

Última mensagem Dom Nov 01, 2020 11:30 am GabrielDias Ver última mensagem

 

13

Hotéis de luxo na Jamaica oferecem novidades para receber viajantes pós-pandemia

em Jamaica

Última mensagem Seg Mai 25, 2020 3:34 pm JulianaMagalhaes Ver última mensagem

 

3

Taiti vai reabrir as suas fronteiras para viajantes internacionais, incluindo o Brasil

em Polinésia Francesa

Última mensagem Sex Jun 12, 2020 11:28 am GabrielDias Ver última mensagem

 

5

 


Booking.com
Falando +D

Todos os horários são GMT - 3 horas



Ir para:  
 

 

Quem está online

Usuários navegando neste fórum: Nenhum usuário registrado e 7 visitantes