Colunas
Coluna do Fabio Macedo

Todos os horários são GMT - 3 horas [ DST ]




 Página 1 de 1 [ 6 mensagens ] 
 
 Título: Bordeaux, toujours Bordeaux
Mensagem não lidaEnviado: Seg Mai 13, 2013 6:53 pm 
Avatar do usuário
Mensagens: 8777Rio de Janeiro- RJ
Bordeaux, toujours Bordeaux

Imagem
Port de la Lune - Patrimônio da Humanidade.

Bordeaux é simplesmente a principal região produtora de vinho não apenas da França, mas do mundo. São mais de 8.500 produtores de vinho. Não é exagero dizer que para o amante do vinho, Bordeaux é sua Meca.

Localizada no sudoeste da França, próxima ao ponto onde se encontram os rios Dordogne e Garonne para formar o imponente Gironde, a região tem como principal cidade sua homônima capital.

São inúmeras as sub-regiões que formam a macro região de Bordeaux e seria impossível tratar de todas em uma única coluna, portanto focaremos apenas nas principais, aquelas que não podem deixar de serem conhecidas em uma viagem focada no enoturismo.

A principal delas, que tem mais fama e é mais visitada é o Haut Medoc e suas quatro mais conhecidas cidades: Saint Estephe, Pauillac, Saint Julien e Margaux (do norte para o sul). Ela localiza-se ao norte da cidade de Bordeaux, a cerca de uma hora e meia sem pressa. É onde ficam localizados os mais famosos Chateaux da região, inclusive 59 dos 60 listados na célebre classificação de 1855.

Ali, predomina a potência da cabernet sauvignon, tendo nas demais cepas do corte bordalês apenas coadjuvantes.

Dependendo do seu interesse o tempo necessário para uma visita ao Haut Medoc pode variar de um dia a um mês, mas direi com honestidade que para um turista normal um dia já daria uma ideia da área. Comece por Saint Estephe, a comuna mais ao norte onde está localizado, entre outros, o célebre Chateau Cos d’Estournel e sua peculiar arquitetura em forma de pagode chinês. Se possível, almoce em Pauillac em um dos vários restaurantes turísticos a beira do rio Gironde. É uma visão das mais agradáveis. E não deixe de visitar a Maison de Vin de Pauillac. Os eventos semanais sempre estão listados lá e é bastante comum serem oferecidas degustações grátis. Pauillac é também onde ficam famosos produtores como o Chateaux Lafite Rotschild, Latour e Mouton Rotschild.

Descendo ainda mais para o sul, passamos por Saint Julien. É impossível perder a entrada da cidade, demarcada por uma enorme garrafa de vinho onde os turistas sempre param para uma foto.

Continuando em direção à cidade de Bordeaux, chegamos a Margaux, famosa pelo Chateau Margaux e por produzir os vinhos com maior elegância da região. Já deverá ser o final da tarde, então por que não parar em uma boulangerie local e beliscar alguns dos deliciosos doces franceses?

Tente não abusar do vinho para acordar sem ressaca e poder aproveitar um passeio pela chamada Margem Direita do Gironde (o Medoc também é chamado de Margem Esquerda).

Atravessamos o rio rumo a leste até a belíssima cidade medieval de Saint Emilion, local onde impera a cepa merlot. Se os vinhos da margem esquerda se traduzem em potência, os da margem direita são a essência da finesse.

Saint Emillion é o tipo de cidade pela qual a Europa é famosa: construções medievais, muros, ruínas, ótimo vinho e comida saborosa. Vale muito um passeio a pé pelas ladeiras da cidade apreciando os belos vinhedos que estão em cada praça. Além de inúmeras lojinhas voltadas para a venda de vinhos e seus acessórios. Se possível, almoce em um dos ótimos restaurantes da cidade.

Depois do almoço siga por uns 10 minutos na direção de Pomerol. A cidade em si é minúscula e sem nenhuma atração, mas é simplesmente o lar de um dos dois vinhos mais caros do mundo: o Petrus. Apesar de não ser possível visitar suas caves, dá para tirar uma foto junto à estátua de São Pedro, que dá nome ao vinho. Pomerol é famosa por vinhos de pequena produção e enormes preços.

No terceiro dia, sugiro dar uma pausa no vinho, ou pelo menos nas visitações aos vinhedos e focar um pouco na cidade de Bordeaux, que é a quinta maior área metropolitana do país. Não é daquelas cidades imperdíveis, mas tem seus encantos. Além da arquitetura típica francesa, Bordeaux já foi um importante entreposto comercial do Império Romano, sendo portanto, possível encontrar construções daquele tempo. Existe um belo anfiteatro que vale uma visita.

O porto de Bordeaux, chamado Port de La lune devido ao seu formato em meia lua, é desde 2007 Patrimônio Mundial da Humanidade da UNESCO e, portanto, um passeio bastante interessante.

A cidade tem nada mais que 350 construções classificadas como monumentos históricos.
E já que estamos na França, não deixe de entrar em uma de suas numerosas “fromageries”, as lojas especializadas em queijo, e provar algumas das inúmeras variedade. Charles de Gaulle disse certa vez que era impossível governar um país que tinha mais de 250 tipos diferentes de queijo. O que será que ele diria hoje, quando já são mais de 400?

No quarto dia retomamos o roteiro dos vinhos. Siga dessa vez em direção ao sul, para a sub região de Graves. Você perceberá que já nos subúrbios sul da cidade os vinhedos vicejam. Encravado na cidade está o Chateau Haut Brion, único vinho classificado em 1855 que não está localizado no Haut Medoc. E logo com a classificação máxima de Premier Grand Cru Classe!

Continuando nossa rota em direção ao Sul, chegamos na pequena cidade de Leognan, lar dos vinhos da denominação Pessac-Leognan, onde são feitos alguns do mais equilibrados vinhos franceses. Para ser honesto o vinho é a única atração dessa área, então escolha suas vinícolas preferidas e visite-as. Recomendo fortemente o Domaine de Chevalier onde você será muito bem recebido por seu proprietário Olivier Bernard. Em minha humilde opinião, um do melhores vinhos que já tomei.

Existem motivos para se passar mais um mês inteiro na região, afinal são mais de 8.500 produtores, mas infelizmente isso é impossível para um mortal. Mas com esse roteiro básico já será possível ter uma boa ideia da principal região produtora de vinhos do mundo.

Imagem
O célebre a caro Chateau Latour em Pauillac.

Imagem
A bela cidade medieval de Saint Emilion cercada por seus vinhedos.

Imagem
Chateau Pichon-Longueville Baron: arquitetura francesa típica.

Agora deixo um pequeno guia de visitação e conduta:

Como ir: Bordeaux tem um aeroporto internacional, mas que não recebe voos de grande porte. Você precisará fazer conexão em Paris, Londres ou Madrid. Outra maneira confortável de chegar lá é vindo de TGV, partindo da estação de Montparnasse em Paris. A viagem dura cerca de 3:30 horas. A terceira maneira é de carro, pelas excelentes estradas francesas, mas tenha em mente que são cerca de 600 quilômetros.

Quando ir: A colheita acontece no final de setembro. Entre os meses de julho e outubro as videiras possuem folhagens e frutos. Fica mais bonito de ver. No inverno elas estão secas. Atenção: Agosto é mês de altíssima temporada na França e tudo costuma ficar mais caro.

Onde ficar: Hotéis no centro de Bordeaux são mais caros. Caso o foco de sua visita seja o vinho, vale a pena se hospedar na região do aeroporto, Merignac, onde hotéis mais baratos como Comfort Inn tem preços mais acessíveis e estacionamento grátis. Outra opção é se hospedar nas pequenas pousadas que alguns Chateaux oferecem. Nesse caso, seria recomendável trocar de hospedagem à medida que as sub regiões sejam visitadas.

Alimentação: Quem dá importância a gastronomia vai se sentir no paraíso. Encontra-se a típica cozinha francesa, mas com ingredientes mais frescos e a custo mais barato que em Paris.

Carro: É fundamental para o deslocamento. O problema é a questão do beber e dirigir. Apesar de não haver fiscalização, nunca é recomendável que se faça. Caso em seu grupo não tenha um motorista designado, considere contratar um serviço de transporte por van. Certamente seu hotel poderá lhe orientar nesse sentido.

Vinícolas: A maioria exige agendamento prévio para visitação. Quanto mais famosa for, maior será essa exigência. Boa parte delas cobra uma taxa que costuma variar de 5 a 20 euros, incluindo a degustação. Muitas das menores oferecem a visitação e degustação grátis. Nesse caso, é de bom tom comprar uma garrafa ao final da visita.

Informações: Além de Bordeaux, todas as pequenas cidades da região possuem seu Office de Tourisme. Lá é possível obter dicas valiosas, indicações de visitação e até mesmo onde acontecem degustações gratuitas.

E você já esteve em Bordeaux? Gostou? Tem outras dicas? Conte para nós a sua experiência!

Imagem
ImagemImagemImagemImagem

_________________
http://fdv.im/FabioMacedo


 Título: Re: Bordeaux, toujours Bordeaux
Mensagem não lidaEnviado: Seg Mai 13, 2013 10:16 pm 
Avatar do usuário
Mensagens: 31826
Excelente texto, Fabio. Muito completo! Quem lê sente vontade de ir conhecer pessoalmente.

_________________
http://fdv.im/GabrielDias


 Título: Re: Bordeaux, toujours Bordeaux
Mensagem não lidaEnviado: Seg Mai 13, 2013 10:25 pm 
Mensagens: 346
Eu ja senti. Eu amo a França!


 Título: Re: Bordeaux, toujours Bordeaux
Mensagem não lidaEnviado: Ter Mai 14, 2013 11:30 pm 
Avatar do usuário
Mensagens: 8777Rio de Janeiro- RJ
Gabriel , obrigado. E se for garanto que gostará !

Cínthia, eu também !! :D

_________________
http://fdv.im/FabioMacedo


 Título: Re: Bordeaux, toujours Bordeaux
Mensagem não lidaEnviado: Qua Mai 15, 2013 1:44 am 
Mensagens: 78
A França desfila beleza, nobreza, cultura, história, encantos... A França é para mim o país onde a gente se encontra com nossas emoções!
Texto muito bacana Fábio. Que vontade de conhecer Bordeaux!


 Título: Re: Bordeaux, toujours Bordeaux
Mensagem não lidaEnviado: Sex Mai 17, 2013 9:41 pm 
Mensagens: 4
Fábio, pela maneira como você descreveu, já me sinto, teoricamente, conhecedora de Bordeaux. Agora só me falta a prática. . . Parabéns pelo texto.


 
 Tópicos Relacionados      Respostas 
A viagem de trem de Paris a Bordeaux está mais rápida com a SNCF

em França

Última mensagem Seg Abr 03, 2017 12:43 pm JulianaMagalhaes Ver última mensagem

 

5

 

Colunas
Coluna do Fabio Macedo

Todos os horários são GMT - 3 horas [ DST ]



Ir para:  
 

 

Quem está online

Usuários navegando neste fórum: Nenhum usuário registrado e 2 visitantes